O Novo Profissional Livre: Como Adicionar Antifragilidade a Sua Carreira

Um amigo está de malas prontas para o canadá. Vai fazer mestrado focado em Inteligência Artificial. Esse colega é formado em ciências da computação e escolheu o mestrado dentre diversas outras opções, inclusive trabalhar na amazon. Ele tem capacidade de trabalhar em qualquer empresa de tecnologia do Brasil e do mundo.

Junto com ele, vai sua esposa, que é formada em direito e estava estudando para concurso aqui no Brasil. Com a formação atual dela, ela não pode ser advogada no Canadá, porque as leis são diferentes e estava estudando pra algo que não vai servir de nada, pois as provas de concurso são ainda mais especificas.

Com isso em mente me lembrei de um framework antigo, que já venho discutindo há algum tempo, sobre como voce pode fazer a sua escolha profissional de forma antifrágil. Nessa forma de pensar, podemos dividir as profissões em 4 partes. Dois eixos que forma quatro quadrantes.

Os eixos são:

Necessidade de Ensino Superior

Boa parte das profissões históricas no mundo não necessitavam de uma formação superior formal. Elas derivavam de um trabalho de aprendiz onde um marceneiro ensinava um jovem a se tornar marceneiro e o mesmo faria isso por mais de 30 anos, criando outro aprendiz no mesmo processo.

Com a consolidação das universidades, geradas a partir dos mosteiros, mais e mais pessoas tiveram acesso educação superior, o que trouxe o inicio de uma especialização onde se começou, no século XIX e XX a uma necessidade de diplomas para poder exercer profissões.

Profissão associada a um Pais

Existem profissões que são associadas ao pais que o profissional exerce sua profissão. Um Juiz no Brasil não é um juiz nos EUA, independente do que aconteça, pois Juiz é um cidadão investido de autoridade publica, autoridade publica está reconhecida pelo estado que o cidadão vive.

Existem ainda profissões que tem regulamentação diferente mas que o profissional pode ser reconhecido a depender da regra para validação da profissão, como engenheiros ou dentistas.

Juntando esses dois eixos, criamos 4 quadrantes, que são:

 

1.Baixo Escalão

Aqui são todas as profissões que não necessitam de diploma mas que estão associadas ao estado/pais. No Brasil, boa parte delas é acessada através de concurso e tem uma falsa impressão de estabilidade, mas na verdade são as profissões mais frágeis do quadro. Por não exigir ensino superior o profissional acaba não se especializando e fica refém das atividades da profissão, que muitas vezes são repetitivas e burocráticas ou são extremamente especificas, que deixa a possibilidade de progressão ou mudança de carreira extremamente limitada.

A falsa sensação de segurança ocasiona diversos problemas quando momentos extremos de crise causam, como o momento atual do brasil, onde diversos servidores públicos estão sem salário e não conseguem arrumar outro emprego pois acabaram ficando refém dos seus empregos.

Exemplo de Profissões: Concursados de nível médio e trabalho burocrático/administrativo em geral (Profissionais que trabalham em órgãos públicos, tribunais, INSS, universidade, etc), Carteiros, Policiais, Motoristas de Ônibus, etc

2. Regulamentados

Profissionais que cursaram o ensino superior e trabalham em profissões regulamentadas. Dentro desse espectro de regulamentação nos podemos também dividir em duas partes. Conhecimento e Normas. Muitas profissões utilizam-se do mesmo conhecimento para serem exercidas em diferentes países, como Medico ou Engenheiro Civil, mas precisam se adequar as normas de cada pais diferente. Por exemplo, um profissional em intercâmbio precisa revalidar seu diploma, o que as vezes é apenas uma questão burocrática e outras vezes é um processo proximo de tirar um novo diploma.

Ainda assim, existem profissões que o conhecimento é diferente, tornando praticamente ineficaz a primeira graduação do profissional, como Direito, Contabilidade, Ciências Atuariais. Ou seja, mesmo com a possibilidade de uma validação de diploma, o profissional vai ter que estudar e reaprender diversas coisas, o que torna difícil e burocrático a mudança pra outro pais.

Exemplos de Profissões: Engenheiros em Geral, Profissionais de saúde, Arquitetos, Advogados, Contadores, etc.

3. Cientistas e Pilotos

Profissionais de alto gabarito que podem trabalhar em qualquer lugar do mundo. Sao os profissionais que fazem doutorado, PhD e outras instituições e que por isso conseguem trabalhar de qualquer lugar. Apesar da característica móvel, esses profissionais ainda tem uma profissão que é frágil, pois muitas vezes dependendo de grants e bolsas dada pelos governos de fora.

Uma exceção é os profissionais contratados para trabalhar no P&D das empresas privadas, o que permite uma mobilidade e antifragilidade maior. Algumas profissões que não exigem curso superior mas uma formação especifica também entram aqui, como Pilotos. Os cursos normalmente são regulamentados por alguma instituição internacional, logo os pilotos podem aprender uma vez e voar em qualquer lugar do mundo.s

Exemplos de Profissões: Professores Universitários, Académicos de Pós-graduação, Historiadores, Cientistas, Comissários de Voo, Pilotos, Comandantes de Navio, Pesquisadores e Académicos.

4. Novos Profissionais Livres

Aqui entram todos os espectros de profissões que não dependem de diploma para serem exercidos. O que vem a cabeça primeiramente são os profissionais das areas humanas. Diversas dessas profissões são exercidas por profissionais sem formação previa ou ate com outra formação (Músicos, Pintores, Escritores, Artistas em Geral). Mas não somente essas, voce ja parou pra pensar o que estuda um Piloto de F1? Obviamente não deve ser muita coisa, pois temos um piloto de 18 anos no grid nessa temporada (Lance Stroll). Atletas em geral não passam por formação e podem competir em qualquer pais do mundo.

Caso voce tenha escolhido uma profissão e tem a vontade de ser antifrágil, voce também pode faze-lo dentro da sua atual formação. Se voce reparar, os cargos de liderança e de maior destaque dentro das empresas privadas são tocados por pessoas que necessariamente não tiveram uma formação pra isso. Haja vista o grande numero de CEOs sem MBA e quantos vendedores saíram de áreas operacionais. Além disso, boa parte das novas profissões da nova economia digital não precisa, visto que ainda não existem, formações especificas. Voce pode ser Head de Estratégia de uma Startup mesmo tendo se formado em Engenharia Química.

Exemplos de Profissão: Músicos, Pintores, Escritores, Artistas, Jogadores de Futebol, Basquete, Vôlei, Pilotos de F1, Motoristas de Uber, CEOs, Desenvolvedores de software, Gerentes de Vendas e Marketing, etc.

Claro que as profissões não estão fechadas em cada um dos quadrantes, dentro de cada quadro existem diferentes posições no espectro. E também existem o conceito da antifragilidade de cada uma das profissões. Um gerente de marketing possivelmente vai ter muito mais possibilidades de emprego do que um motorista de f1, porem ambas são antifrágeis no que diz a formação e pais de trabalho.

O objetivo desse quadro é fazer voce pensar nos seus próximos passos profissionais e faze-los de acordo com o seu objetivo. Como o exemplo inicial, meu colega só conseguiu as propostas de emprego porque estava trabalhando como Desenvolvedor, logo se ele tivesse migrado pra uma profissão mais frágil, ou ate um concurso publico, muito possivelmente ele não conseguiria fazer essa mudança de forma tao fácil.

 

Eduardo Rocha

Eduardo (Dudu) Rocha. Emprendedor, Estudante. Eu acredito que as pessoas podem mais. Que todos deveriam estar sempre dando 100% em tudo que faz. Por isso estou aqui pra compartilhar minha busca pelo meu melhor. E quero te ajudar a buscar o seu. Me mande um email, vamos trocar uma ideia.

 

4 thoughts on “O Novo Profissional Livre: Como Adicionar Antifragilidade a Sua Carreira

  1. Muito bom, Eduardo. Estou exatamente numa encruzilhada de vida e como leitor e admirador de Taleb, sinto uma necessidade crescente de trocar minha carreira de executivo por empreendedor. A cada novo artigo que leio, mas me leva para a área de empreender, ao invés de seguir a carreira.

  2. Texto excelente Eduardo! Foi muito claro esclarecedor para mim. Meu desafio hoje, no sexto período da faculdade de medicina, é descobrir como fazer para caminhar cada fez mais no sentido da antifragilidade mesmo em uma formação tida como “regulamentada”. E os textos dos Estrategistas sempre me ajudam nesse caminho. Parabéns!

  3. Excelente texto Eduardo, ainda não li as obras do Taleb mas, seu texto veio de encontro com a situação em que estou: confuso profissionalmente, desmotivado e com desejo de mudar o rumo de minha nau para outros mares. Depois de muitos anos na área de TI, hoje a única certeza que tenho é que, quero sair… quero mudar… mas… para onde? Me encontro perdido…
    Seu texto me deu algumas pistas para onde devo ir, vou correr contra o tempo e ouvir o que Taleb tem para falar de antifragilidade.
    Obrigado e sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *