Treinamentos como respostas para perguntas complexas

O foco grande  que eu dou para o treinamento não é em vão. Grande parte das respostas que você está procurando vão ser encontradas, ou pelo menos sanadas, com algum treinamento de algum tipo ou de outro.

Um dos emails mais comuns que eu recebo é de pessoas perguntando como aumentarem o foco e serem mais produtivas. Literalmente, elas perguntam como obter foco e aumentar a produtividade numa só frase. Imagine só, colocar dois dos maiores problemas da humanidade hoje em uma só pergunta e esperar por uma resposta. Ingênuo, no mínimo.

Eu entendo, fomos educados para esperar por resposta das coisas. A questão sempre foi pagar: se você pagasse por aquele livro, ou aquela palestra, seus problemas estariam resolvidos porque você iria encontrar As respostas. Algumas perguntas desse tipo:

– Como ser mais produtivo;
– Como arranjar tempo para fazer as coisas que amo;
– Como arranjar foco;
– Como ganhar dinheiro fazendo o que amo;
– Como descobrir o que amo;
– Como entrar em forma, etc.

Se você tem esperado por respostas fechadas para as perguntas acima, pode desistir. Vou te poupar tempo e dinheiro dizendo que não existem.

Eu escrevo a respeito, mas nunca é seu guia definitivo – falo sobre sistemas, sobre os princípios científicos mais atuais, sobre como você pode experimentar em torno do tema com algo que funcionou para mim, mas nunca te dou uma resposta final, porque eu não tenho.

Se não há respostas, você larga o questionamento de lado? Não, você pode melhorar o questionamento e continuar sempre buscando.

No primeiro caso, mude a pergunta para algo prático e mais próximo da realidade. Por exemplo: ao invés de ‘como ser mais produtivo’, você pergunta “como posso fazer para garantir que termine de estudar quando chego em casa do trabalho?”. Seja específico, sua mente vai te ajudar se você escolher a pergunta certa.

Já a busca contínua se relaciona diretamente com a ideia do treinamento constante que tanto enfatizo. Quer ser mais produtivo? Pratique produtividade. Quer arranjar foco? Pratique ser focado. Quer entrar em forma? Se envolva em algum tipo de treinamento.

Eu não sou a exceção à regra. Por exemplo, odeio correr. Sinceramente odeio o cansaço que me traz, como fico sem ar, como minhas pernas ficam sem força, como tenho que pisar um pé de cada vez para fazer as coisas acontecerem. Mas ainda assim eu corro.

Para mim, corrida faz parte de dois treinamentos: físico e de força de vontade. Físico, claro, para me ajudar a ficar em forma, melhorar minha circulação sanguínea e respiração, sem falar no desenvolvimento de resistência de uma maneira geral.

Já para força de vontade, bem, eu treino para me obrigar a fazer algo que eu não gosto mas sei que é importante para mim. Por mais que eu desgoste… bem, o universo não é obrigado a fazer tudo o que é necessário para ser agradável, então é melhor eu adiantar o serviço e me acostumar a fazer coisas desprazerosas, mas necessárias.

(Por sinal, isso vale para comida. Você não tem que escolher o que é gostoso, mas o que é saudável, o que seu corpo precisa. O papel da alimentação é para suprimir necessidades metabólicas e não ser prazeroso ou divertido.)

Então, da próxima vez que você se pegar querendo uma resposta direta para um problema complexo da vida, se pergunte: “como posso fazer do problema que questiono um treinamento?”

 

Paulo Ribeiro

Autor, empreendedor, amante do aprendizado e um estrategista moderno. Escreve sobre estratégias para viver uma vida melhor e mais significativa.