• Share on Google+

Você pode aprender muito com livros. De verdade, pode aprender bastante mesmo.

No área de networking, alguns grandes livros são “Nunca Coma Sozinho“, “Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas” e até outros indiretos, como “A Educação dos Milionários“. Esse livros são excelentes e totalmente recomendados.

Mas nunca você vai aprender tanto sobre networking quanto você aprende observando pessoas de sucesso de perto. Uma coisa é você ler teorias a respeito, outra é você observar o que as pessoas altamente conectadas e bem sucedidas fazem e tentar copiá-las.

Networking

Pode ser que o que te separa do sucesso é apenas um bom contato.

Felizmente, eu tenho tido a chance de trabalhar diretamente com algumas das pessoas mais bem sucedidas em suas respectivas áreas na Internet. Não foi questão de sorte, mas isso já é papo para outra hora; agora, quero contar a lição mais importante que aprendi até então.

Qual o princípio #1 para fazer um networking efetivo?

Você deve tomar conta das pessoas.

Simples assim. Mas você me pergunta: como assim tomar conta?

Você precisa cuidar para que os interesses delas sejam alcançados. Que elas estejam bem, motivadas, trabalhando com as pessoas certas e com oportunidades a seu alcance.

Isso é bem diferente do conselho mais comum dos gurus lá fora: “vá para eventos na sua área e pegue o contato de gente importante”. Não, não é só isso. Você tem que procurar conhecer o outro, saber quais são as dificuldades que ele está enfrentando nos negócios e trazer algo para oferecer de modo a ajudar a resolver os problemas deles: seja suas habilidades ou seus contatos. A palavra-chave aqui é oferecer.

É curioso, porque se você parar e prestar atenção, essa dica de ‘cuidar bem das pessoas’ serve igualmente para alguém em um papel de liderança. Por que isso acontece? A essência do network e a essência da liderança é a mesma: oferecer algo realmente valioso as pessoas, de modo que elas possam te agir de modo construtivo.

Note que eu não disse “para que” (finalidade), mas “de modo que” (consequência). O motivo pelo qual você deve cuidar dos outros não é para conseguir algo em troca; as pessoas notam facilmente quando você não está sendo verdadeiro e age com intenções egoístas. Você deve agir bem por que seria legal se a gente vivesse no mundo onde todo mundo agisse bem.

Nem todo mundo vai te retribuir, claro. As pessoas tem motivações e objetivos diferentes na vida. Uns 80% não vai se importar, outros 19% vai te agradecer, mas aquele 1% vai te fazer algo incrível e de extremo valor. No final, vai valer a pena: você vai ter contribuído para criar um mundo em que gostaria de viver, vai ter impactado positivamente na vida dos outros e, eventualmente, alguém vai trazer algo muito valoroso para sua vida.

  • Luís
    Responder
    Author
    Luís

    Concordo plenamente.

    Segue um texto muito interessante sobre networking que li estes dias: http://www.movebla.com/1929/o-custo-cafezinho/

    Até mais.

    • Paulo R. Ribeiro
      Responder
      Author
      Paulo R. Ribeiro

      Embora não concorde com o lance de ‘rastrear gastos em cafezinho’, a metáfora é excelente. Vale a pena checar o link, leitura rápida.

      Obrigado pela indicação, Luís!