• Share on Google+

O ser humano é preguiçoso. Tudo bem, você pode admitir isso. Enquanto que temos vontade de fazer várias coisas, muitas vezes nos falta a… não sei muito bem, a energia? a iniciativa? mas com certeza nos falta.

Imagino que isso se origine do campo evolutivo: para o homem da caverna, uma vez alimentado, o mais interessante seria economizar energia, pois quem sabe quando ele teria chance de se alimentar novamente?

Esse é um dos motivos porque é difícil fazer coisas novas… somos seres de hábitos. Se você quer começar a correr para ficar em forma, por exemplo, você até pode começar de uma hora para outra, mas para manter a longo prazo você vai usar muita força de vontade.

Sim, pense em sua força de vontade como algo limitado, algo a que você tem acesso apenas a um limite diário. Desse modo, nem todas as suas atividades podem ser realizadas baseadas na força de vontade: você precisa criar hábitos, para fazer a tarefa no modo semi-automático.

Não leve a expressão “modo automático” como algo negativo: a rotina é uma coisa boa. O que você faz com ela que é passível de julgamento. Vejo muita gente reclamando que o relacionamento caiu na rotina, que a vida está uma rotina sufocante, mas… o que você fez exatamente para criar uma rotina positiva? Você planejou atividades semanais de relaxamento, tempo com sua família, esportes, leitura, ou foi só seguindo com a maré?

Já consigo ouvir daqui sua resposta.

Então, você quer começar a correr? Quer meditar diariamente? Que tal treinar sua escrita? Antes de focar na atividade, foque na criação do hábito em si, na construção de uma rotina. Você não vai querer conduzir a atividade para o resto da sua vida (confie em mim) consumindo sua força de vontade.

Como o próprio nome já diz, há de se criar o hábito, ou seja, fazer algo periodicamente, de preferência em um horário fixo. Se você deseja começar uma atividade criativa (escrita, pintura etc), recomendo realizá-la como a primeira coisa da manhã, antes mesmo de checar seus emails e navegar pelas notícias.

Começar o dia como produtor, não como consumidor, tem um impacto relevante.

Então, para criar o hábito, além de começar pequeno, você tem que fazer todo dia, certo? (supondo um hábito diário). Para ajudar, há um método denominado: “não quebre a corrente”. Você define um hábito, imprime um calendário anual e cola no seu quarto. Todo dia, assim que você fizer a tarefa em questão, você marca um X no dia correspondente no calendário. A ideia é não quebrar a corrente dos X que você está marcando. O comediante Jerry Senfield diz que utiliza o método para criar suas piadas.

E você, como implanta novos hábitos?

  • Klem
    Responder
    Author
    Klem

    Interessantíssimo, a carapuça caiu como uma luva… Vivo adiando algumas coisas comentadas, como ter uma melhor forma física, leitura e por ai vai….

  • Pedro Nascimento
    Responder
    Author
    Pedro Nascimento

    Interessante e oportuno o texto. Acabei de ler O poder do hábito para entender melhor o que Einstein diz “É mais fácil quebrar um átomo do que um hábito” e José Gabriel da Costa “É mais fácil corrigir um vício do que um hábito’. Abs.

    • Paulo R. Ribeiro
      Responder
      Author
      Paulo R. Ribeiro

      Fala, Pedro!
      Esse livro está em minha lista de leitura, foi mt bem recomendado. O que vc achou dele?

      • Pedro Nascimento
        Responder
        Author
        Pedro Nascimento

        Interessante e útil. Ás vezes agimos pensando estar no comando da situação, mas é puramente por hábito. A microtecnologia dos últimos 20 anos possibilitaram estudos do cérebro que desvendaram alguns mistérios.