20 coisas que queria ter sabido antes dos 20

Aniversários assumiram um outro sentido de uns anos para cá. Ao invés de comemorar por comemorar, é um época do ano em que eu fico reflexivo, checando o que estou fazendo com a vida, acompanhando planos e projetos, desenvolvendo novas metas.

É difícil para nós observar o tempo passar. O que mais ouço é as pessoas dizerem “esse ano passou que nem senti”, “o tempo está passando rápido” e isso me assusta muito. Não quero acordar um dia, ter 50 anos de idade e me perguntar para onde foi minha vida. Então, a maneira que encontrei de definir marcos foi utilizar aniversários para isso (afinal de contas, o mundo gira em torno do nosso umbigo, certo?).

O que segue não é uma lista de sabedorias, afinal de contas, erro mais do que acerto diariamente. São simplesmente tópicos que eu gostaria que tivessem sido discutidos comigo mais cedo ou que eu tivesse sabido que era necessário correr atrás. Alguns tópicos (por sorte) já vieram de minha educação familiar, outros eu acidentalmente corri atrás… mas uma lista sólida de coisas importantes segue abaixo.

(Destaco o sentimento de gratidão. Sou muito grato aos meus pais, familiares e todas as pessoas que me ajudaram na formação, principalmente meus pais – toda a linhagem dos meus antepassados que lutaram muito para possibilitar que eu nascesse. É importante ter isso em mente, pois, dentre outros motivos, gratidão se correlaciona diretamente com felicidade.)

 

Treinamento

Aprenda a tocar um instrumento

Quando criança, você tem muito tempo livre. Aprender um instrumento é essencial para te colocar em contato com o mundo da música, desenvolver capacidades que vão além do modo analítico perguntas-e-respostas ensinados na escola.

Dedique-se a uma arte marcial

Um homem precisa conhecer a si mesmo. Uma das maneiras mais eficientes de se relacionar com o corpo é através de uma arte marcial. Além da luta em si (defesa pessoal), há toda a filosofia por trás da técnica, como humildade, conhecer os próprios limites, ajudar os companheiros, etc.

Aprenda a nadar

É preciso diminuir as chances de morte em tudo o que você faz. Seria meio triste se você morresse afogado na piscina do clube durante uma festa. E algo completamente evitável. Então aprenda a nadar (ainda não aprendi).

Você precisa treinar sua mente

Você consegue escolher quando pensar? Você tem plena certeza que tudo que se passa em sua mente não é real, apenas pensamentos? Você conecta seu senso de identidade a essa corrente aleatória de pensamentos?

Bem, então você precisa começar a domar essa fera. Uma das maiores causas de sofrimento é a falta de controle que temos sobre a mente e o fato de associarmos nosso ‘eu’ a ela. É necessário se engajar em algum tipo de treinamento.

 

Relacionamentos

Quando uma garota diz “eu gosto de você como amigo”, na realidade, ela está sendo legal com você

Isso poderia ter me poupado de algum sofrimento no final da infância. Quais são os outros possíveis cenários negativos? Ela te esculachar por completo antes de dizer que não tem interesse, o que seria muito pior. Além do mais, quando você cresce e passa por essa situação (dispensar uma pessoa que gosta de você), você percebe como não há muito o que fazer para não deixar a pessoa mal.

Não existe alma gêmea; então, sem pânico para casar quando encontrar alguém legal. Curta.

A ansiedade de encontrar o amor da sua vida destrói a espontaneidade e a magia de qualquer relacionamento. Encontrou alguém legal? Não precisa de pressa; vá conhecendo a pessoa aos poucos, se ela estiver gostando também ela não vai “fugir”.

 

Carreira

Não confie sua educação à escola

Só esse tema daria um texto completo (quem sabe não dá? Vou começar a trabalhar nele). De modo simples, a combinação escola + faculdade era uma saída segura antes, quando pouca gente tinha acesso à educação. Hoje, a concorrência está grande demais para isso, o que faz pessoas com diploma superior concorrerem a vagas de gari, por exemplo.

Você precisa colocar o aprendizado como meta em sua vida, mas não confie na faculdade para isso. Você será exposto a muito conhecimento técnico, mas e o resto? É por isso que busco estudar coisas que acredito ser essenciais para todo ser humano saber, como história, ciências, psicologia, marketing, negócios, vendas etc.

Seus pais sabem o que é bom, mas só você sabe o que é o melhor para si mesmo.

Autoexplicativo, huh?

Não adianta colocar segurança e estabilidade como fins

Eu não tenho nada contra quem faz concurso público. Sério, é um jeito totalmente válido de viver a vida e talvez seja o melhor para algumas pessoas. O que eu não suporto é todo mundo repetindo mantra “estude para concurso” como se isso fosse o melhor para todo mundo. Isso é rídiculo. E falho em tantos níveis que eu nem tenho linguagem para começar a descrever.

Muita gente talentosa, talvez futuros artistas, competentes médicos, grandes esportistas… presos em salas fechadas, estudando direito, algo terrivelmente chato (pelo menos para mim que estudo engenharia =]) e desperdiçando talento. É um quadro triste.

Essa história de “segurança e estabilidade”, “só sair se roubar” é muito atraente quando nossa relação com o dinheiro é problemática: quando somos movidos mais pelo medo de não ter dinheiro do que pela vontade de obtê-lo. Se esse for seu problema, por favor, revise suas metas de vida (vide próximo tópico). Ser aprovado naquele concurso de fiscal da receita (15 mil reais mensais, certo?) pode não trazer a felicidade que você espera. E geralmente não traz.

Fazer o que se ama é subestimado

Com certeza é difícil. Como assim você quer ganhar dinheiro ensinando as pessoas a velejar? Ou vendendo vinhos online? Ou com uma revista eletrônica gratuita para o público masculino? É amigo, fazer o que ama e viver disso é possível. Você só não vai conseguir isso com pouco esforço e com o que te ensinam na escola.

Eu não sou medíocre; sim, você precisa ganhar dinheiro para viver, afinal de contas. Mas isso não significa que você não possa monetizar uma paixão (ou algum tópico tangente a sua paixão). O trabalho será duro, provavelmente você precisará manter o emprego que odeia enquanto desenvolve um plano (link) para colocar a paixão em prática, mas é possível.

Link | Meu palestrante favorito. Meu vídeo favorito.

Quem fala bastante disso é o Gary Vaynerchuk (vídeo acima). Além dele, há excelentes livros no assunto: “The Education of Millonaires“, “The 100 Dollar Startup” e, o mais recente, “The Startup of You“.

 

Vida

É OK ser abaixo da média

É muito ruim para uma criança ver que todos os seus amigos estão indo bem em algo e ela não está. Isso pode causar problemas se não for conduzido da maneira correta pelo pais e professores. Toda a disfunção está no sistema educacional, que espera nivelar crianças com aptidões variadas em uma média medíocre. Como você espera que uma criança com aptidão natural para música se dê bem em testes padronizadas de memorização? Ou uma criança com aptidão em esportes passe na prova de artes? A escola está matando a criatividade dos pequenos; não deixe que isso oprima as crianças a tua volta.

Eu lembro claramente sobre o como eu era ruim em futebol. Impressionante: tudo mundo jogava futebol em um nível decente e eu não. Isso me incomodou por bastante tempo e até atrapalhou um pouco meu desenvolvimento em outros esportes (ei, sou pelo menos decente no vôlei agora).

É OK ser acima da média

Não é por que a sociedade tenta arrastar todo mundo de volta para média que você precisa se sentir envorganhado por estar  acima dela. Como já disse acima, pessoas diferentes tem habilidades diferentes. Por exemplo, você está em praticando natação, mas seus amigos de escola são ruins nisso e você, muito bom. Você terá que nadar mais devagar só para se sentir mediano? Ou para fazer os outros se sentirem bem por não serem bons? Eu acho que não.

Quando era mais novo, eu tinha problemas em receber elogios, pois achava que isso me distanciava das outras crianças. Que tipo de sistema educacional gera isso?

Não durma mais que o suficiente

Há tanta coisa linda lá fora para ser feita, para ser vista, para ser lida, para ser construída… você só tem uma chance nesse paraíso; faça valer a pena. Além disso, dormir se torna uma atividade mais prazerosa quando você não faz isso em excesso. Por exemplo, se você costuma dormir apenas 10h por noite, passe a dormir 7h; você ganhará 3h por dia E aproveitará melhor o descanso.

Confiança não é repetir para si mesmo “Você pode tudo”

Confiança é um dos conceitos mais bagunçados na mente das pessoas. Em algum momento no futuro vou escrever sobre o livro “Overachievement”, do John Eliot: o melhor livro de longe sobre o assunto.

Mais importante que discutir crenças, é se conectar com as pessoas (link)

 

Busca por Sentido

Conhece a ti mesmo (link)

Sempre se pergunte por que você faz o que faz

Link Youtube | Grande Fuller…

Muita gente tem o pensamento: “se os outros estão fazendo, deve ser o jeito certo de fazer”. Não. Sempre se pergunte o motivo de estar fazendo as coisas: muitas oportunidades de negócios estão disfarçadas nessas situações, coisas que você pode otimizar e ninguém nunca enxergou porque não se perguntou “por quê?”.

Valorize experiências e não posses

As pessoas têm o hábito de comprar por motivos errados. Elas estão mais preocupadas em como aparentam do que com o prazer de usar o objeto em si. Logo, se livre dessa crença de querer parecer descolado ou rico ou whatever. Se você tem dinheiro para gastar, o modo de maximizar isso é vivendo experiências (para você e para outras pessoas).

Eu até me deparei outro dia com um artigo científico com pesquisas no tema. Se você aprender a “comprar felicidade” (na medida do possível), leia e busque maximizar o processo.

A vida não é justa nem precisa ser

“Não há justiça nas leis da Natureza, nenhum termo para justiça nas equações do movimento. O universo não é mal nem bom, ele simplesmente não se importa. As estrelas não se importam, ou o Sol, ou o céu. Mas eles não tem que fazê-lo! Nós nos importamos! Há luz nesse mundo e ela está em nós!”

Não é porque inexiste justiça na realidade em si, que não vamos buscá-la. Político corrupto? É preciso ser punido. O cara fazendo barbeiragem no trânsito? Precisa ser disciplinado. Assaltou e matou? Tem que ir para cadeia. Se isso ainda não acontece, é porque ainda não somos eficientes o suficiente; não é um problema com a realidade.

Faça o que é certo porque é certo

Se acostume a fazer coisas sem esperar retorno, sem aqueles tapinhas nas costas de congratulação (ou a entrada no paraíso). Você tem que fazer o que acha certo porque acha certo. Ponto.

“A virtude é, em si mesmo, a recompensa.”

Isso é muito difícil. Não jogar lixo no chão quando não há lixeira por perto, furar fila, não ceder lugar para os idosos no metrô… tudo isso são pequenos situações com as quais nos deparamos diariamente que testa essa nossa inclinação de agir corretamente no mundo (mas sem ninguém olhando). Surge logo o relativismo moral: “mas eu pelo menos trapaceio menos que meu vizinho, ou faço mais caridade que a média, etc”.


Link Youtube | Veja quando ele fala do Relativismo moral, próximo ao fim

NÃO. Se livre desses pensamentos e dessas desculpas; se treine a fazer o certo (ei, eu sei como é difícil, muitas vezes escorrego nisso).

(De novo, extremamente grato aos meus pais por terem transmitido esse senso para mim)

 

Morte

Com sorte, você vai sofrer a perda de todos os entes queridos

Morte. Nós nunca pensamos na morte, só quando ela bate a nossa porta. Daí ficamos com a sensação de que ela surgiu ali, naquele momento para tirar alguém que amamos. Não. A morte está lá fora o tempo todo e você precisa começar a pensar na possibilidade. Vivemos nossas vidas como se fossemos imortais, talvez porque a ideia “qualquer um pode morrer a qualquer momento sem razão alguma” seja muito difícil de conceber.

Quanto antes você começa a se relacionar com esse aspecto da vida, menos traumática vai ser a experiência quando acontecer. Afinal de contas, se você tiver sorte (não morrer), você vai sofrer a perda de vários entes queridos.

Você só tem uma chance. Faça valer a pena.

E aí, o que você achou? Tem algo a adicionar? Adoraria ouvir o que você tem a dizer.

 

Paulo Ribeiro

Autor, empreendedor, amante do aprendizado e um estrategista moderno. Escreve sobre estratégias para viver uma vida melhor e mais significativa.

 

14 thoughts on “20 coisas que queria ter sabido antes dos 20

  1. Putz, curti demais o artigo, e realmente, saber disso tudo teria me poupado grandes dores de cabeça também, hahahaha.

    Acredito que praticamente 100% das pessoas passam por isso, mas no final também é bom dar “cabeçadas”, pois com elas vem as experiências práticas.

    Grande abraço e parabéns pelo blog.

    1. Obrigado, Clayton!

      > Acredito que praticamente 100% das pessoas passam por isso, mas no final também é bom dar “cabeçadas”, pois com elas vem as experiências práticas.

      Realmente, um bom ponto.
      Abração

  2. Creio que no caso da amiga que “só te considera amigo” discordo. É melhor mandar a real do que ser legal. Ou vira minha “peguete”, “fuck friend” ou namorada, ou nada. 8 ou 80. Não quero a amizade dela.

    E não, não é Ok ser abaixo da média. Claro que você não deve ficar transtornado porque é ruim em algo, mas um dos objetivos que alguém deve ter é ser acima da média em pelo menos alguma coisa. Por exemplo, se você é advogado, mas nada mal, pouco importa. Agora, se você é abaixo da média argumentando com o juiz, ainda que isso não atrapalhe muito na sua carreira, você TEM obrigatoriamente de se tornar melhor.

    Os pais, em regra, sabem o que é melhor pra você. A maioria dos meus amigos que se rebelou em casa e virou a ovelha negra da família, porque não queria seguir a profissão ou o negócio da família, se deu mal. Corrigindo, não foi a maioria dos meus amigos, foram todos que se deram mal ou pelo menos não se deram melhor que o pai. Claro que algum dia podem dar a volta por cima, mas estatisticamente falando, essa chance deve ser bem baixa. Eu, faço algo que não era exatamente o que eu gostaria com o meu pai mas sou um bom profissional e usarei o dinheiro para me aperfeiçoar no que eu gosto. Ou seja, uso o meu emprego da família para me ancorar e poder me aventurar em outros campos. Se der errado, ainda estou bem.

    1. Artur,

      imagino como deve ser para você viver sem amigas, cara. Há muitas maneiras de homem e mulher se relacionarem; limita o leque de possibilidades tira a graça da vida.

      Você deveria ler um pouco sobre “Heurística da disponibilidade” [1] : o fato dos exemplos que te vem primeiro a cabeça favorecerem uma hipótese não implica numa maior probabilidade da hipótese ser mais provável no mundo real. É um viés cognitivo comum. Você só lembrar de amigos que se deram mal por fazer o que queriam não implica dizer, estatisticamente, que as pessoas que fazem o que querem da vida se dão mal.

      Note que não falei nada sobre ser a ovelha negra da família, mas simplesmente tomar suas próprias decisões e escolher o próprio caminho. Todos os pais com relações saudáveis com seus filhos aprendem (ou deverão aprender) a respeitar.

      Obrigado por comentar, abraço

      [1]http://www.thinkfn.com/wikibolsa/Heur%C3%ADstica_da_disponibilidade

      (material bem ruim em pt, foi bom para eu perceber que preciso escrever a respeito)

    2. Arthur. Desculpe-me mas vou discordar.

      Até achei interessante (e meio sem vergonha) adicionar classificações as mulheres do círculo social (peguete e fuck friend), mas excluir relações de amizade com as mulheres não é um exagero? Sendo assim qualquer mulher que não lhe seja “de bom grado” estará excluída do seu círculo social? Com toda certeza tem muitas mulheres legais por ai que podem sem grandes amigas! Eu tenho várias…

      Bom quanto as médias, experimente uma carreira que você detestaria (é provável que fique abaixo da média), e mais, lute com todas as suas forças para pelo menos chegar na média, é provável que você tenha um piripaque… Ai você me pergunta: Porque diabos alguém trabalharia em algo que não gosta?… E eu lhe respondo: Pois é, a maioria das pessoas faz isso, porque elas não pedem demissão?
      Claro não vamos levar à extremos. Se você faz algo que gosta então não a nada de errado em ser acima da média, e de certo modo estar abaixo é errado, a não ser que ainda esteja em aprendizado…

      Quanto aos pais, não sei como foi a sua educação, e nem quero saber, mas sinto em lhe informar que no mundo, uma grande parte de “fetos de pessoas bem sucedidas” é abortada pelos pais, que ridiculamente “pregam” aos seus filhos: “Estudem, tirem boas notas, façam uma faculdade, arranjem um bom emprego, casem-se, tenham filhos, e sejam felizes”… Quem dera o “sejam felizes” fosse verdade! Não que essa ideia seja errada, mas não é verdade absoluta, como a maioria dos pais acredita. Dou graças por ser o oposto do meu pai, pois se seguisse os conselhos dele, acabaria igual ele, ou um pouquinho pior…. Te aconselho a leitura de Pai Rico Pai Pobre do RK…

      Abraços.

  3. Olá boa tarde,
    cara muito bom o artigo. Conheci o blog por acaso ontem no google, enquanto buscava pela a palavra “Urgente” e Ja divulguei ele para alguns amigos.
    Gostei muito deste artigo, na parte do “é OK ser acima da média” eu me vi nesta situação de se constranger quando alguém me elogia.

    Vou continuar lendo o blog e ja até favoritei.

    abraços !

  4. Fico contente por ter encontrado esse blog antes dos meus 20.
    Tenho 18 anos e vim parar aqui ao pesquisar no Google uma solução pro meu problema “Não sei qual minha vocação.”. Tava bem frustrada por não saber o que ser da vida já que com 18 anos as pessoas cobram muito o qual faculdade quero fazer rs.
    Navego cada vez mais no site, passo horas a fio aqui, difícil é parar de ler. Encontrei a resposta de muitas questões que tinha.
    Parabéns Paulo, gostei muito do site!
    Muito obrigado por compartilhar seu conhecimento. Bom trabalho (:

  5. Olá, falar de morte no mundo ocidental é sempre um tema delicado. Um pais bem legal de ser estudado é o Butao (fica na asia). Sugestão de pesquisa e se possivel um texto sobre o mesmo :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *